AGENDA

SESSÃO ORDINÁRIA: 29/11 - 17H

SESSÃO ITINERANTE - CRISTALINA: 01/12 - 18H30

imprensa

28/09/2022

Pronunciamento

Alessandro Simas discute falta de vagas para o Ensino Fundamental no Dom Joaquim

Destaque

Ao se pronunciar na tribuna na sessão ordinária esta terça-feira, 27 de setembro, o vereador Alessandro Simas (PP) falou sobre a falta de vagas para o Ensino Fundamental no bairro Dom Joaquim. A pauta levou moradores do bairro a se manifestarem com cartazes no plenário durante a reunião.

“As crianças que estão saindo da pré-escola agora estão sem vagas para estudar. E a gente sabe que existe a obrigação dos pais de colocarem os filhos para estudar. É um contrassenso sem tamanho”, levantou o parlamentar. Simas afirmou que os governos estadual e federal não cumprem com suas obrigações de investimentos na área de Educação. “Brusque está investindo, em média, 27% ou 28% em Educação, cumpre o seu dever constitucional [que é de, no mínimo, 25% de impostos arrecadados]”, comparou.

“Compram carro, compram isso e aquilo, mas investir na educação, na docência, nos professores, em opção de vagas, isso não acontece”, disse em referência ao estado. “A conta sempre está no colo dos prefeitos e das prefeituras. A gente precisa tratar disso de forma mais criteriosa”, propôs.

Em aparte, Jean Pirola (PP) acrescentou que o atual governo de Santa Catarina, sob o comando de Carlos Moisés (Republicanos), não construiu nenhuma escola das cerca de 1.500 existentes. “Não só o [bairro] Dom Joaquim está com esse problema. Na Santa Rita, o teto da [EEB] Osvaldo Reis está caindo na cabeça das crianças”, complementou Pirola.

Simas anunciou uma reunião a ser realizada na Câmara para tratar do assunto com o coordenador regional de Educação, Odair Bozio, e demais vereadores interessados, na próxima terça-feira, 4. “Os investimentos do município muitas vezes chegam ao seu limite, mas o estado e a união não cumprem com suas obrigações”, insistiu.

“Temos que resolver de forma imediata, mas o futuro é importante e a realidade dos espaços públicos de educação, tanto municipais quanto estaduais, precisamos tratar deles de uma forma mais específica e pensar na qualidade de ensino para nossas crianças e adolescentes”, acrescentou.

    Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

    veja também