AGENDA

SESSÃO ORDINÁRIA: 29/11 - 17H

SESSÃO ITINERANTE - CRISTALINA: 01/12 - 18H30

imprensa

09/09/2022

Pronunciamento

“Queremos o progresso de forma harmônica”, declara André Rezini sobre a Área Industrial da Limeira

Destaque

O vereador André Rezini (Republicanos) esclareceu, durante a sessão ordinária desta terça-feira, 6 de setembro, as ações da Comissão Especial da Câmara que investiga denúncias de mau cheiro na Área Industrial do bairro Limeira. Segundo os moradores do entorno, o odor é proveniente da empresa Arga Processadora de Resíduos.

O empreendimento foi instalado na área, com a doação de terreno da Prefeitura, aprovada no Poder Legislativo no ano passado. “Votamos favoráveis à autorização daquela empresa, acreditando, sim, na documentação, e que fosse feito o que tinha sido combinado. Em contrapartida, como a comunidade local procurou alguns vereadores, temos que ter a responsabilidade de tirar essas amarras. Temos que ter a competência de vir aqui, da mesma maneira que aprovamos o projeto, trazer as informações que vem chegando até nós”, disse o parlamentar.

No momento, a comissão composta por cinco vereadores estuda a contratação de uma empresa de engenharia que realize um estudo técnico, a fim de concluir a origem do odor. “Vamos aguardar o fechamento das visitas, dos documentos, do que realmente está acontecendo e, em conjunto, a Comissão vai trazer o resultado final, do parecer da Câmara, e aí vamos dar continuidade nessa situação”, informou Rezini.

“Nós queremos o progresso social e econômico do nosso município, mas de uma forma harmônica. Não podemos passar por cima de ninguém”, declarou. “Nem a comunidade passar por cima de uma empresa que gera empregos e impostos, nem uma empresa passar por cima da localidade, de uma forma que não foi combinada”, acrescentou o vereador, que disse acreditar no diálogo e na flexibilidade de ambas as partes para solucionar o problema. “É isso que a comissão vai buscar”, concluiu.

Vandalismo

O vereador também compartilhou no plenário imagens enviadas por um morador da Rua Francisco Sassi que mostram pichações em muros e outras estruturas da cidade. “A Prefeitura faz, pinta, organiza, aí vai um vagabundo, um mau-caráter e picha placas, muros e acaba com a visualização nosso município”, criticou.

“É um assunto de interesse público, sim, de âmbito coletivo e cabe a nós, vereadores, trazer isso a público, porque realmente é ridículo. Pintar, arrumar, trocar, e aí passa um dia, os caras vão lá à noite pichar. Não podemos culpar o Ibplan [Instituto Brusquense de Planejamento] e a Polícia Militar, pois eles [pichadores] vêm na calada da noite, fazem escondido, não dá nem pra pegar. Acabam fazendo o poder público gastar dobrado para pintar, reformar e trocar, enfim".

Em aparte, Jean Dalmolin (Republicanos) citou o estado do banheiro da Praça Sesquicentenário, que ficava aberto ao público. “Por dentro está tudo pichado, tudo mesmo, está terrível o banheiro”, repassou o vereador. Também em aparte, Cassiano Tavares, o Cacá (Podemos), disse não compreender as pichações. “Sou um grande fã e um incentivador do grafite, desde que autorizado. Agora, a pichação não entra na minha cabeça. Para mim, não é arte nem expressão, é apenas uma falta de educação”, declarou Cacá. 

    Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

    veja também