AGENDA

SESSÃO ORDINÁRIA: 29/11 - 17H

SESSÃO ITINERANTE - CRISTALINA: 01/12 - 18H30

imprensa

23/06/2022

Pronunciamento

“Criança não é mãe, estuprador não é pai”, protesta Marlina sobre caso catarinense que repercute no país

Destaque

Durante a sessão ordinária desta terça-feira, 21 de junho, a vereadora Marlina Oliveira Schiessl (PT) falou sobre o caso de uma menina de 11 anos, vítima de estupro, induzida por uma juíza da comarca de Tijucas (SC) a desistir de fazer um aborto legal, conforme noticiou o site The Intercept e posteriormente outros veículos de imprensa.

“No nosso país, a cada 20 minutos uma criança dá à luz. Elas vivem em estado de vulnerabilidade social extrema”, afirmou a parlamentar. “Muitas vezes, orientados pelo senso comum, a gente acha que essa vulnerabilidade acontece só nas casas, nas famílias, mas esse caso está mostrando que esse estado, primeiro, se agiganta quando a gente fala de crianças pretas e pobres, e, segundo, sai do reduto da casa e chega a instâncias que deveriam por excelência garantir o direito das crianças e adolescentes”, disse.

“Criança não é mãe. Estamos falando de um ser humano que não tem condições físicas e nem psicológicas para gestar. O Judiciário não poderia fazer uma ação como a que aconteceu com essa criança. Quem fala por ela, quem é a sua voz, quando a instância máxima age a partir dos valores morais de um agente do Judiciário?”, indagou a petista.

Violação de direitos

“O que mais causa espanto é que essa criança não é violada uma única vez. Após ter sofrido uma grave violência por parte do abusador, ela ainda é revitimizada no mínimo quatro vezes. É violada ao acessar o sistema de saúde, [onde alegam que] não é possível fazer o procedimento. É violada quando lhe perguntam: ‘Você suportaria ficar mais um pouquinho?’, ‘Você acha que o pai do bebê concordaria em entregar para adoção?’. Abusador não é pai. Um cidadão que abusa de uma criança não pode ser chamado de pai”, protestou Marlina. “Não bastando tudo isso, para que a mãe da menina fosse impedida de dar prosseguimento ao aborto legal, que é um direito da criança, ela é submetida novamente a uma violência, porque é mantida num abrigo, longe da mãe”.

Questão de saúde pública

Por fim, a vereadora destacou que toda pessoa que gera até os 14 anos de idade no Brasil é considerada vítima de violência sexual e refletiu: “Estamos falando de uma questão de saúde pública e não podemos fazer esse tipo de diálogo a partir dos nossos valores morais. Existem mecanismos sociais pelos quais a gente pode proteger nossas crianças e adolescentes e a justiça é a maior instância de onde essa proteção deveria acontecer. Por esse motivo, reitero que criança não é mãe, estuprador não é pai e cada um precisa evoluir no entendimento de que isso não poderia estar acontecendo no âmbito do Judiciário, afinal, uma juíza não poderia demonstrar tamanha parcialidade”.

    Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

    veja também