AGENDA

SESSÃO ORDINÁRIA: 29/11 - 17H

SESSÃO ITINERANTE - CRISTALINA: 01/12 - 18H30

imprensa

23/02/2022

Pronunciamento

Cacá Tavares expõe ausências de médicos em dias de atendimento na UBS do Rio Branco

Destaque

Na sessão ordinária desta terça-feira, 22 de fevereiro, o vereador Cassiano Tavares, o Cacá (Podemos), levou à tribuna reclamações de munícipes a respeito da ausência de médicos em dias de atendimento na Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro Rio Branco.

“São muitas reclamações do pessoal que vai cedo, pega a senha para ser atendido pelo médico 4h30 ou 5h da manhã, chega 8h30 ou 9h e as atendentes têm que avisar o pessoal que estava na fila que o médico não virá”, relatou. Por outro lado, Tavares registrou que os funcionários da unidade desempenham um bom trabalho na gestão de situações como estas.

“Eu vim aqui para tornar público isso e fazer um apelo ao secretário [de Saúde], o Dr. Oswaldo. É óbvio que ninguém faz isso de propósito, vou acordar e pensar ‘que posto de saúde vou ferrar hoje’. Mas o problema existe e a gente tem que falar, tem que tornar público, nosso papel é este”, manifestou. Cacá ainda falou que é compreensível a dificuldade histórica do município de Brusque na contratação de médicos. “Mas a população está cansada de entender. O cara sai de manhã para pegar uma senha e o médico não vem”, criticou.

Um requerimento apresentado pelo vereador e aprovado na mesma reunião pergunta se a Secretaria Municipal de Saúde tem conhecimento das ausências constantes de médicos na unidade. Nele, também é questionado se há previsão para contratação de novos profissionais para a UBS e de que forma a pasta administra o excesso de consultas represadas.

A vereadora Marlina Oliveira (PT) chamou a atenção, em aparte, para um concurso realizado recentemente pela Prefeitura para a contratação de médicos. Na avaliação dela, o volume de profissionais chamados não condiz com a demanda.

Tavares mencionou que os pacientes geralmente já estão fragilizados aos procurarem o atendimento e quando a consulta não acontece ficam indignados. “A atendente não tem nada a ver com a história e, muitas vezes, acaba ouvindo”, contou.

“A questão de Saúde é uma das mais complicadas. A cidade cresceu muito e cresce todos os anos e acaba que a demanda de saúde vai se tornando o grande gargalo”, disse. “Se é uma coisa que vem se alastrando, se o médico está com problema, a Secretaria de Saúde teria que ter trocado”, intercedeu o parlamentar. 

    Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

    veja também