AGENDA

SESSÃO ORDINÁRIA: 11/10 - 17H

imprensa

04/02/2022

Questionamento

Vereadores cobram cumprimento de limite estabelecido para o reservatório de água do Bruschal

Destaque

O Poder Legislativo aprovou na sessão ordinária desta terça-feira, 1° de fevereiro, o Pedido de Informação n° 7/2022, que questiona o Poder Executivo sobre a capacidade de um reservatório do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae), localizado na Rua dos Xaxins, conhecido como Reservatório do Bruschal.

A proposição apresentada pelos vereadores Cassiano Tavares (Podemos), André Batisti (PL), Jean Dalmolin (Republicanos) e Ricardo Gianesini, o Rick Zanata (Patriota) cita que o reservatório já é alvo de diversas discussões e que moradores estão preocupados com a estrutura, “temendo a ocorrência de alguma tragédia, que coloque em risco a vida dos que residem nas proximidades”. O texto também menciona uma reunião realizada em outubro de 2021 na Câmara entre vereadores, representantes da comunidade e servidores do Samae, tendo sido acordado o limite de 200 mil litros de água.

No entanto, o pedido de informação descreve que chegou ao conhecimento dos vereadores que a autarquia estaria depositando quantidade de água acima do estabelecido e solicita que o Samae informe por que estaria ultrapassando o limite, bem como, qual seria a previsão para regularização.

Cobrança

Durante a discussão do pedido, a vereadora Marlina Oliveira (PT) cobrou o cumprimento da decisão emitida pela juíza da Vara da Fazenda de Brusque, Iolanda Volkmann, na última sexta-feira, 8, para que o uso do reservatório seja restrito a 150 mil litros. “Havia um reservatório antigo ali, com capacidade de 30 mil litros, e hoje a gente tem esse elefante branco, com capacidade gigantesca de 500 mil litros. Foi colocado num lugar onde a população é enfática em dizer que estamos diante de uma tragédia anunciada”, manifestou.

O vereador Cassiano Tavares, o Cacá (Podemos), demonstrou preocupação com a instalação. “Convido os vereadores que ainda não foram para irem, pois é assustador o jeito que foi feito aquele reservatório. Sabendo que é importante para a região, obviamente, mas fiquem ali e olhem para baixo para ver se vocês teriam coragem de morar ali”, indagou Tavares.

Ele relembrou a reunião na Câmara sobre o assunto no ano passado, quando ainda não havia decisão judicial. “O que começamos a cobrar inicialmente neste pedido é o cumprimento de um acordo feito com quatro vereadores aqui nesta casa. Uma reunião de quase duas horas, com o presidente do Samae e engenheiros. Não foi papo de corredor, foi uma reunião oficial”, pontuou.

    Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

    veja também