AGENDA

SESSÃO ORDINÁRIA : 22/06 - 18H

AUDIÊNCIA PÚBLICA - PLC 09/2021 (REGULARIZAÇÃO DO HABITE-SE SANITÁRIO): 23/06 - 14H

imprensa

09/06/2021

Pronunciamento

​Alessandro Simas pede que o governo estadual redefina critérios para a realização de eventos em Santa Catarina

Destaque

Durante a sessão ordinária desta terça-feira, 8 de junho, o vereador Alessandro Simas (DEM) discorreu sobre como a proibição da realização de eventos durante a pandemia de Covid-19 em Santa Catarina impactou a vida de trabalhadores e empresas desse setor. “Evento não é só balada. Evento são pessoas organizadas que trabalham com decoração, flores, fazem docinhos, brigadeiros, os garçons. É uma cadeia muito grande, que foi a primeira a sofrer com a pandemia e até agora não teve retorno”, comentou.

Para ele, o governo do estado ainda não definiu critérios claros para proibir ou permitir eventos. “Que critério usa a Secretaria de Estado da Saúde, através da sua Vigilância, para dizer que um evento pode ter 70 ou 80 pessoas, quando nós temos clubes como o Santos Dumont onde cabem até 2 mil pessoas - 20% disso são 400”, observou. “E a Vigilância do Estado fez a Vigilância Regional vir até Brusque, depois de ter uma conversa com a Vigilância Municipal e a Polícia Militar, para proibir um casamento que teria de 280 a 300 pessoas onde cabem 2 mil”.

O parlamentar exibiu uma imagem em que Carlos Moisés da Silva (PSL) foi flagrado sem máscara numa festa em um hotel fazenda e criticou o governador. “Que moral ele tem para comandar esse processo e mandar fechar um evento organizado, com distanciamento, máscaras, luvas, garçons com máscara e seguranças suficientes pra cuidar disso?”, questionou, citando depois registros de bares lotados em Itapema e Itajaí funcionando normalmente. “O prejuízo não é só de quem não pôde casar ou fazer uma primeira comunhão, mas da sociedade como um todo, e não só financeiramente, mas o que está acontecendo há mais de um ano, ou seja, não existe nenhum critério correto desde que começou a pandemia”.

Por fim, Simas anunciou a apresentação de um pedido para que o governo do estado reveja os critérios vigentes. “A gente quer expor a indignação das pessoas que não estão conseguindo viver dos eventos, pessoas responsáveis, que têm uma história na cidade e em nível de estado, todas as pessoas que estão tentando trabalhar, mas a incompetência de quem está decidindo não está deixando que elas possam viver e trabalhar honestamente”.

Ginástica da 3ª Idade

Ao abrir seu pronunciamento, o vereador destacou o Requerimento nº 57/2021, de sua autoria, pelo qual ele solicita ao Executivo municipal a retomada do projeto Ginástica da 3ª Idade. Realizada anteriormente à pandemia em ginásios de esportes e salões paroquiais dos bairros Bateas, Steffen, Volta Grande, Dom Joaquim, Jardim Maluche e São Luiz, a atividade atendia entre 150 e 200 pessoas.

“Talvez até a totalidade dessas pessoas já estão vacinadas, inclusive com a segunda dose da vacina e são pessoas que têm um pouco de dificuldade, até pela questão da idade, de ter uma vida social e ativa mais contundente. Essa atividade fazia muita diferença pra elas”, disse. “Respeitando o distanciamento e com o uso de máscaras, não vejo problema nenhum disso retornar. É um trabalho muito bom e faz muita diferença. Essas pessoas ficaram durante muito tempo dentro de casa, com pouca possibilidade de ter uma vida social. É uma forma de voltar a dar-lhes ânimo e esperança”, acrescentou.

    Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

    veja também