AGENDA

SESSÃO ORDINÁRIA: 11/10 - 17H

imprensa

18/11/2009

Capitão José Gamba Júnior participa de sessão legislativa

Um diagnóstico de como anda a atividade de atendimento pré-hospitalar realizada pelo Corpo de Bombeiros de Brusque, foi apresentado no início da sessão legislativa de terça-feira, 17, pelo capitão José Gamba Júnior.

Na ocasião, o comandante fez uma explanação sobre a prestação de suporte básico a vítimas de traumas ou emergências médicas. “Hoje temos uma estrutura razoável que cobre toda nossa área de atendimento, administrada através de uma central de operações onde caem as ligações 193. Assim, todos os chamados são atendidos nesta central, que por meio de um sistema de radiocomunicação faz contato com nossas três unidades posicionadas na área central de Brusque, no bairro Águas Claras e em Guabiruba, para pronto atendimento às solicitações”, explicou.

Capitão Gamba revelou dados estatísticos que apontam mais de 3.500 atendimentos pré-hospitalar em 2008, o que equivale a 290 atendimentos/ mês. Já em 2009, em apenas dez meses, até dia 31 de outubro, foram mais de 4.200 atendimentos, ou seja, 420 atendimentos/ mês. “De todos os atendimentos emergenciais realizados o pré-hospitalar representa 78%, as questões de incêndio 2% e outros atendimentos em torno de 20%. E apesar do elevado número de acidentes, a grande demanda ainda recai sobre emergências de natureza clínica. No ano passado, atendemos 1.500 casos de acidentes de trânsito e neste ano já passamos disto”, observou o comandante.

Por fim, Gamba salientou que o Corpo de Bombeiros possui viaturas novas, adquiridas com recursos do Funrebom e que a frota geralmente é renovada a cada cinco anos, bem como tem a constante preocupação em manter equipamentos de ponta e equipes treinadas.

Quanto a vinda do SAMU para Brusque, o comandante reconheceu que veio a somar principalmente no atendimento pré-hospitalar. “Estamos integrando as entidades e hoje temos um convênio que permite que solicitações sejam direcionadas, por exemplo, se o Corpo de Bombeiros é chamado para um caso clínico, este pode solicitar que o SAMU atenda a ocorrência, já que priorizamos atendimentos de traumas”, concluiu capitão Gamba.

Encerrada a explanação, os vereadores Ademir Braz de Sousa, Eduardo Hoffmann, Dejair Machado, Edson Muller, Jonas Paegle, Alessandro Simas, Valmir Ludvig, Celso da Silva e Roberto Prudêncio teceram considerações e questionaram o capitão sobre procedimentos da instituição.

Áudio Relacionado

  • Arquivo temporariamente indisponível

Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

veja também