AGENDA

até 31/01/2020 - Recesso Parlamentar: 23/12/2020 -

Sessão ordinária: 04/02/2020 - 17H

imprensa

22/11/2019

Pronunciamento

​Paulinho Sestrem reivindica solução de drenagem pluvial na rua Itajaí

Em pronunciamento na sessão ordinária desta terça-feira, 19 de novembro, o vereador Paulinho Sestrem (Patriota) afirmou que não pode, assim como outros parlamentares da casa, elogiar os trabalhos da administração municipal. Sestrem se referiu às manifestações do vereador Leonardo Schmitz (DEM) a respeito de obras de infraestrutura realizadas na cidade.

Em relato de visita ao bairro Limoeiro, ele apresentou imagens de alagamento na Rua Itajaí, no trecho da entrada do Loteamento Emma II. “Pouca chuva já deixou um transtorno grande para pessoas que tiveram danos em suas casas e a veículos em que a água entrou”, informou. Segundo Sestrem, há condições para que a drenagem seja canalizada para a Beira Rio e que agora seria o momento ideal para as providências, devido às obras para a margem esquerda da via.

Em aparte, Schmitz fez ressalvas ao pronunciamento do orador e pontuou que os problemas apresentados também são causados por lixo descartado pela população, acumulando entulhos e obstruindo as saídas de água. Sestrem discordou do posicionamento de Schmitz e citou demandas não atendidas pela atual gestão, como as obras do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC) no bairro Primeiro de Maio e construção de creche no Rio Branco. Finalização de obras em Unidades Básicas de Saúde (UBS) também estavam entre as reivindicações expostas pelo vereador na tribuna.

Em aparte, Alessandro Simas (PSD) afirmou que esta gestão “foi a que mais fez trabalhos de drenagem pluvial no município”. Ele afirmou que já há tratativas com uma empresa que deverá fazer a ligação de tubulação da Rodovia Antônio Heil até a Rua Itajaí, comentada por Sestrem no início de sua fala.

Por fim, Sestrem reafirmou crítica à atual administração municipal: “Esta administração não está representando a população da maneira como tenta vender”. Ele reiterou que o Legislativo não tem poder de executar: “Como vereadores, a gente vê a dor das pessoas. Não foco só nas coisas ruins, mas nas coisas que as pessoas trazem para mim. É esse o papel, levar à tribuna os anseios da população que não é atendida”, declarou. 

    Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

    veja também