AGENDA

SESSÃO ORDINÁRIA: 27/08 - 17H

imprensa

13/03/2019

Esclarecimento

José Zancanaro se manifesta sobre processo judicial a que responde

Destaque

Durante a sessão ordinária desta terça-feira, 12 de março, o presidente da Câmara Municipal, José Zancanaro (PSB), fez esclarecimentos a respeito do processo judicial pelo qual responde, referente ao período em que ocupava a cadeira de secretário na Secretaria de Educação do município, em 2017.

O vereador destacou que, durante grande parte de sua vida, exerceu cargos eletivos na administração pública. “Sempre perquiri o interesse público, buscando priorizar o bom andamento das atividades educacionais em nossa cidade. Vários ganhos foram registrados em minha atuação perante a Secretaria de Educação. Sempre pautei minha conduta pelos princípios da legalidade e moralidade pública”, disse, ao declarar inconformismo com as manifestações púbicas de pré-julgamentos que enfrenta.

“Tenho plena convicção de minha inocência, no que diz respeito aos fatos articulados neste processo. Não tenho responsabilidade alguma que possa resultar em penalidades à minha pessoa, ao contrário do que foi propagado. Buscaremos comprovar isso em grau de recurso, junto ao Ministério Público de Santa Catarina [MP-SC]”, frisou Zancanaro.

Nota da Prefeitura Municipal

O presidente lamentou e classificou como “tentativa de desvirtuar a responsabilidade quando não lhe é politicamente favorável”, a Nota oficial referente ao caso, divulgada pela Prefeitura Municipal e publicada no Jornal O Município, em 5 de março. Na posição de secretário de Educação, o vereador defendeu que “não tinha poder de determinar o pagamento e, muitos menos, a ascendência sobre a funcionária responsável pelo pagamento”.

Na declaração, Zancanaro pontuou que sua intenção não é gerar um impasse entre o Poder Legislativo e o Poder Executivo. “Quero apenas deixar claro, publicamente, que estes fatos serão oportunamente decididos no julgamento final do caso e, tenho certeza, serão revertidos”, disse. “Quero repudiar a tentativa de se querer manipular a opinião pública a fim de desmoralizar a minha imagem. Reafirmamos que somos inocentes, injustiçados e iremos recorrer ao MP-SC. Até o momento, ainda não fomos notificados”, encerrou o parlamentar.

    Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

    veja também