AGENDA

REUNIÃO PÚBLICA - URBANIZAÇÃO DA CRISTALINA (CAPELA SÃO FRANCISCO DE ASSIS): 22/03 - 19H

SESSÃO ORDINÁRIA: 26/03 - 17H

imprensa

28/02/2019

Pronunciamento

​“Torço para que não façam uma maldade tremenda com o povo”, diz Tuta Duarte sobre a reforma da Previdência

Destaque

Em pronunciamento durante a sessão ordinária desta terça-feira, 26, o vereador Claudemir Duarte, o Tuta (PT), teceu comentários sobre a reforma da Previdência anunciada pelo governo federal: “Existem dois lados que tem que pagar a conta, a população trabalhadora ou as grandes empresas que, às vezes, tem mais capital investido no exterior do que no Brasil”, disse.

Para reforçar sua argumentação, ele citou valores devidos por grandes corporações ao Fundo de Regime Geral da Previdência Social (FRGPS): “A JBS deve R$ 1,8 bilhões; a Caixa Econômica Federal, R$ 549 milhões; o Bradesco, R$ 465 milhões; a Mendes Júnior Engenharia, R$ 393 milhões; a mineradora Valle, que hoje está no olho do furacão, R$ 275 milhões”, exemplificou. “Vemos que a dívida dessas empresas, ao que parece, já começa a ser perdoada”.

“Quando se aposenta com saúde, a pessoa contribuiu para chegar naquela idade e descansar. Então, acho que o país não pode pensar em jogar a idade [mínima para aposentadoria] para cima. Pelo jeito como isso está sendo imposto, na minha concepção, o Fundo da Previdência será muito forte no futuro, tendo em vista o montante que será arrecadado, já que as pessoas não irão se aposentar, não chegarão a aproveitar do tempo trabalhado”, afirmou o parlamentar. “Tem muitas pessoas que acompanham essa reforma com tal preocupação a ponto de ficar meio neuróticas, já estão ficando doentes”.

Para Tuta, umas das soluções para o equilíbrio das contas públicas seria fazer com que os maiores credores da Previdência pagassem pelo que devem ou tivessem seus bens confiscados. “Estou torcendo para este governo [do presidente Jair Bolsonaro] dê certo, mas também para que não façam uma maldade tremenda com o povo brasileiro”, frisou. “Se isso vai prejudicar uma grande parcela da população, precisa ser repensado. É muito triste”. 

    Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

    veja também