AGENDA

SESSÃO ORDINÁRIA: 20/11 - 17H

AUDIÊNCIA PÚBLICA - PLC 10/2018 e PLC 11/2018, QUE ALTERAM O CÓDIGO DE POSTURAS E O CÓDIGO DE PARCELAMENTO DO SOLO: 26/11 - 16H

imprensa

05/11/2018

Pronunciamento

José Zancanaro contextualiza fatos envolvendo o fim do Ensino Médio na escola João Hassmann

Destaque

Em pronunciamento durante a sessão ordinária da última terça-feira, 30, o vereador José Zancanaro (PSB) comentou o anúncio feito pela Prefeitura, na semana anterior, sobre o fim do Ensino Médio na Escola de Educação Básica João Hassmann, no bairro Guarani.

“Fui secretário [de Educação] por duas vezes e esse assunto sempre foi muito discutido. Da última vez, até intermediamos junto ao governo estadual, buscando uma solução para que permanecesse o [Ensino Médio] na João Hassmann, mantido pelo Estado, pois sabíamos que isso estava para acontecer”, disse o parlamentar.

A proposta apresentada na ocasião, contou Zancanaro, não foi aceita pelo governo de Santa Catarina. “A Secretaria da Educação de Brusque tem registrado o expediente do então secretário da pasta estadual, Eduardo Deschamps, colocando-se à disposição para remanejar os alunos de escola, mas sem demonstração de interesse em manter o Ensino Médio no Guarani”.

Na avaliação do vereador, ainda que o atual governo do Estado concordasse em bancar as aulas - que por lei são de responsabilidade estadual - no espaço cedido pela prefeitura, essa seria uma medida paliativa - “porque até 2020, 50% do Ensino Médio terá de ser integral e quando esse regime passar a vigorar, vai faltar espaço físico, e o Estado não vai querer investir naquilo que não é dele”.

Para atender à nova realidade, acrescentou, “o Estado terá que partir para ampliações, contratações e concursos públicos, além de investir na formação de profissionais, pois os estudantes deverão sair da escola aptos para o mercado de trabalho, com alguma especialização” – fator que, na prática, inevitavelmente forçará o remanejo de alunos entre as unidades escolares estaduais localizadas no município.

“Isso é o que determina a Base Nacional Comum Curricular. Como o governo [federal] vai mudar, podem mudar os rumos, entrar um novo ministro da Educação, com novos entendimentos, mas o que existe na legislação, hoje, é isso”, complementou.

Zancanaro lembrou ainda que, até 2024, ao menos 50% dos educandários municipais deverão funcionar em período integral. “Para isso, serão necessárias ampliações para comportar o Ensino Fundamental, inclusive na João Hassmann”, argumentou o orador, seguido da concordância, em aparte, do líder do governo na Câmara, vereador Alessandro Simas (PSD).

    Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

    veja também