AGENDA

SESSÃO ORDINÁRIA: 20/11 - 17H

AUDIÊNCIA PÚBLICA - PLC 10/2018 e PLC 11/2018, QUE ALTERAM O CÓDIGO DE POSTURAS E O CÓDIGO DE PARCELAMENTO DO SOLO: 26/11 - 16H

imprensa

01/11/2018

Pronunciamento

André Rezini reforça pleito a favor da manutenção do Ensino Médio na escola João Hassmann

Destaque

Em pronunciamento durante a sessão ordinária desta terça-feira, 30, o vereador André Rezini (PPS) teceu comentários sobre o fim do Ensino Médio na Escola de Educação Básica João Hassmann, no bairro Guarani. A prefeitura anunciou na semana passada que as aulas do Ensino Médio no educandário estarão suspensas a partir de 2019, desdobramento de uma ação ajuizada pelo Ministério Público de Santa Catarina (MP-SC) em 2016. O órgão aponta irregularidade para a contratação de professores temporários (ACTs) na escola.

“Realmente, esta é uma situação muito delicada para o município. Mesmo sabendo que a responsabilidade pelo Ensino Médio é do estado, é triste, depois de 30 anos do colégio atendendo a região do bairro Guarani, Varginha, Rio Branco e arreadores. Em vez de serem criadas mais escolas, vermos professores melhores remunerados e a educação crescer em nosso país, vimos o fechamento de salas de aula”, disse o parlamentar. “Sabemos que não é culpa do Executivo e é preciso deixar isso muito claro. Em 1989, o ex-prefeito Ciro Roza implantou no Guarani o Ensino Médio, mesmo sabendo que a lei não permitia, mas era uma coisa positiva, para o bem da comunidade. Nenhum ato foi com o intuito de prejudicar o município”.

O vereador sugeriu que a Câmara Municipal intervenha ativamente para solucionar o imbróglio envolvendo a João Hassmann, a exemplo de como procedeu quando dos questionamentos do MP-SC acerca do Fummpom e do Funrebom, os fundos de reaparelhamento da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, substituídos por novos convênios. Assim como outros parlamentares, ele também endossou a ideia de criação, ainda em 2018, de uma comitiva de negociação envolvendo o Executivo, o Legislativo, a Secretaria Municipal de Educação e entidades representativas de classe, a fim de pleitear uma solução para o caso junto ao governo do estado.

“Não é de um dia para o outro que vamos resolver este problema, então, temos que ver qual seria a melhor forma de tentar amenizar essa grande perda para a educação do nosso município”, salientou o orador. “Estou certo de que todos os vereadores se colocarão à disposição. Dentro da legislação e do que for possível, estaremos buscando [a solução]”.

Em apartes, manifestaram-se os vereadores Leonardo Schmitz (DEM), Ivan Martins (PSD) e Gerson Luís Morelli, o Keka (PSB), todos de forma a reforçar as colocações de Rezini e contribuir com a argumentação do colega.

    Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

    veja também