AGENDA

SESSÃO ORDINÁRIA: 09/08 - 17H

imprensa

02/09/2009

Roberto Prudêncio desaprova atitude do prefeito Paulo Eccel

Ao utilizar a tribuna na sessão ordinária de terça-feira, 1º, o vereador Roberto Prudêncio falou sobre a declaração do prefeito Paulo Eccel à imprensa, referente ao projeto que contempla o Regime Jurídico dos Servidores Públicos, que ficou de fora da votação realizada em 25 de agosto.

Conforme declaração publicada na página 10 da edição do dia 28 de agosto do Jornal Município Dia-a-Dia, o prefeito alegou que “A Câmara de Vereadores não cumpriu sua palavra. Fizemos um acordo que todos os projetos seriam votados e o Legislativo simplesmente desconsiderou o compromisso que havia feito. Quer dizer, palavra para a Câmara não existe”.

Prudêncio manifestou-se indignado com a atitude do prefeito. “Ao taxar os vereadores de mentirosos ele não só ofendeu cada um dos integrantes desta Casa, mas a própria instituição, o Poder Legislativo. Apesar do esforço que tivemos em votar os projetos o mais rápido possível acabamos sendo ofendidos. Esse é um infeliz comportamento. É uma falta de consideração para com os representantes do povo que trabalharam sim exaustivamente para aprovar em uma semana seis dos sete projetos relativos a estrutura administrativa. Deixamos somente o Estatuto dos Servidores de lado, pois possui 283 artigos e não pudemos estudá-lo em uma semana, mas estamos agora fazendo emendas e melhorando esse Estatuto. Hoje mesmo chegou emenda do Poder Executivo ao Estatuto dos Servidores. Vejam, até o Executivo não estava cem por cento com o projeto pronto. Então, como nós vereadores vamos aprovar sem ler. Até se entenderia essa atitude do prefeito se não tivesse ele qualquer experiência parlamentar, mas o fato de ter sido membro da Assembleia Legislativa o proíbe de utilizar tal escusa”, argumentou o parlamentar.

Prudêncio alegou que se o entendimento do prefeito era de que os servidores mereciam o aumento dos vencimentos no mês de agosto, os projetos deveriam ter sido enviados antes ao Legislativo. “Houve sim um acordo entre o prefeito e os vereadores no sentido de priorizar a aprovação dos sete projetos, mas nenhum vereador contava com tamanha extensão deles, nem com os correntes equívocos nas suas redações. Portanto, a desonrosa postura do prefeito deve ser repudiada com veemência por essa Casa, que é uma instituição séria, formada por cidadãos sérios e que tem como objetivo principal, concretizar os legítimos interesses da sociedade a que representa. Podemos ter pensamentos e ideias divergentes como ocorre em qualquer democracia livre, mas o objeto de cada vereador aqui presente é sem dúvida o de buscar melhorar a cada dia a vida dos cidadãos do nosso município. Temos sim palavra e dignidade. Nossa palavra é a de cumprir com os objetivos constitucionais do nosso ofício, zelando pelo que for melhor para o povo, de acordo com nossa consciência e segundo nosso juízo, de forma livre e independente, mas sempre com muita responsabilidade”, justificou o vereador.


Ouça abaixo o pronunciamento completo do vereador.

Áudio Relacionado

  • Arquivo temporariamente indisponível

Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

veja também