AGENDA

SESSÃO ORDINÁRIA: 19/06 - 17H

imprensa

06/06/2018

Pronunciamento

Pirola rebate afirmações de Keka sobre o uso político dos cargos de diretor escolar

Destaque

Em pronunciamento durante a sessão ordinária desta terça-feira, 5, o vereador Jean Pirola (PP) respondeu às colocações feitas pelo vereador Gerson Luís Morelli, o Keka (PSB), na mesma reunião, a respeito da competência dos profissionais nomeados pelo Executivo para os cargos de diretor escolar nas 62 unidades de ensino da rede pública municipal.

“Foi uma denúncia perigosa, porque colocou todos na vala comum. Você pode falar com propriedade desde que possa apontar o dedo. Dizer que a grande maioria dos diretores é incompetente é algo gravíssimo, e estarei fazendo a defesa desses diretores e diretoras, porque todos estão lá por suas competências. Não vejo nenhum que não tenha conhecimento técnico e capacidade para tal função”, afirmou.

Assim como Keka, ele também declarou ser favorável à escolha dos diretores por meio de eleições, que passaram o ocorrer em outubro de 2013, durante o governo Paulo Eccel (PT), mas foram descontinuadas pela administração pública a partir da cassação do ex-prefeito, em março de 2015. “Mas isso não quer dizer que os eleitos sejam melhores ou piores do que os que foram indicados pelo prefeito”, ponderou Pirola. “Se um ou outro não cumpriu com as metas, são casos extremos, talvez únicos. Não posso aceitar que digam que a maioria é incompetente”.

Em aparte, o líder do governo na Câmara, vereador Alessandro Simas (PSD) argumentou que o decreto editado por Eccel em 2013, instituindo as eleições escolares, é inconstitucional, e os casos de descumprimento das obrigações do diretor para com o educandário são punidos com a exoneração: “Não tem apadrinhamento político que ultrapasse a responsabilidade da diretora para com as crianças”.

Leonardo Schmitz, o Leo (DEM), também em aparte, citou decisão judicial que entende ser de livre nomeação e exoneração o cargo de diretor escolar. Ivan Martins (PSD), por sua vez, disse que a grande maioria dos diretores escolares permanece no cargo mesmo com as mudanças de governo no município. “Na última vez, só dois ou três diretores foram substituídos, e não foi por incompetência, mas por outros motivos”. José Zancanaro (PSB) também se manifestou, salientando que a escolha por indicação obedece a critérios técnicos e de qualidade.

Ao finalizar, Pirola reforçou que é adepto às eleições para o preenchimento dos cargos, mas não pode concordar com a afirmação de que a maioria dos diretores nomeados atualmente seja incompetente para a função que desempenham nas escolas.

    Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

    veja também